conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Artigos

Velhice é doença?

Velhice é doença - artigo prof. Egídio Dórea

*Egídio Dórea

Simone de Beauvoir, célebre filósofa francesa e autora de um dos mais profundos estudos antropológicos sobre a velhice, resgatou nesse livro uma descrição do envelhecimento datada de 2.500 anos de um poeta egípcio que a termina com a frase: “… a velhice é a pior desgraça que pode acontecer ao homem.” Neste relato, ele descreve o envelhecimento sob a ótica de perdas e adoecimento. Hoje, 2.500 anos após, a velhice está prestes a ser classificada como doença. A própria Simone, em outra frase famosa, disse que envelhecer é viver. Será que viver tornou-se uma doença?

Um dos grandes fomentadores do preconceito pela idade, idadismo, é o de enxergarmos o envelhecimento como perdas, incapacidade, improdutividade, isolamento e doenças. São os estereótipos negativos que incorporamos ao longo das nossas vidas e que em determinado momento são ativados e fazem com que tenhamos pensamentos e atitudes discriminatórias.

O idadismo é considerado o mais frequente, afeta cerca de 80% da população idosa; universal, pois independe de cor, orientação sexual, religião, gênero e religião; e o menos discutido dos preconceitos.  Impacta negativamente as nossas oportunidades para um envelhecimento “saudável” e encurta a expectativa de vida em até 7,5 anos.

Conscientizar as pessoas sobre o processo de envelhecimento e desconstruir os estereótipos negativos através da informação e convívio intergeracional são os meios mais efetivos para combatê-lo. Mas como fazer isso com o envelhecimento sendo declarado oficialmente como doença? Quem, a partir deste momento, gostará de ser identificado como velho-doente? Quem quererá fazer parte desse novo grupo de quase 1 bilhão de novos doentes? 34 milhões somente no Brasil?

A categorização e medicalização de um processo natural do curso de vida é um grande retrocesso, senão uma violência contra todos nós: presente e futuro. Um novo motivo que alimenta, como bem citou Robert Butler, o paradoxo de que ao mesmo tempo em que festejamos os nossos ganhos de vida continuamos embebidos na cultura do medo de envelhecer. Provavelmente, beneficiará grandes atores da indústria farmacêutica e de cosméticos que há anos lutam por essa inclusão.

Mas individualmente e como o grupo populacional que mais crescerá nas próximas décadas só nos tornará mais excluídos. 2020-2021 ficarão na nossa história como anos em que o idadismo foi manifestado de forma magnificada. Primeiramente, pela pandemia da covid-19 e agora pela inclusão da velhice no código internacional das doenças. Ironicamente no momento em que a organização mundial de saúde lançou a década do envelhecimento saudável. Representam o retrato da nossa cultura que desvaloriza passado, história, conquistas e que impede as pessoas de envelhecerem com propósitos e de viverem sem o estigma de serem consideradas doentes. 

Egídio Dórea - USP 60+

*Egídio Dórea

É médico, professor de medicina da Universidade de São Caetano do Sul, coordenador do programa USP 60+, que oferece atividades para pessoas com 60 anos ou mais nos campi da USP, membro da Comissão de Direitos Humanos da USP, diretor da Aging2.0 Chapter Brasil e conselheiro do Centro Internacional de Longevidade Brasil (ILC-BR). Também está à frente da campanha #SouMaisSessenta, de valorização da pessoa idosa e combate ao idadismo.

(Imagem principal : Pessoas foto criado por pressfoto – br.freepik.com)

2 Comentários

2 Comments

  1. Geraldo

    6 de fevereiro de 2022 às 19:06

    O que não pode envelhecer é a mente. Até o conceito de “atração” sexólogos e terapeutas estão tratando como além do aspecto físico: personalidade, positivismo, “papo cabeça”! São João Paulo II, quando os Cardeais quiseram sua renúncia ele disse: “Físico doente mas a mente não”! Quando comecei no Serviço Público, aos 21 anos, ouvi de um colega de 67 anos, que eu poderia substitui-lo e até atuar em outro setor. Final de janeiro, recebi um email com anexos e, um despacho que não refletia a cronologia contida nos anexos! E me lembrei do veterano colega, mas ai agora eu na “posição dele” (de ser substituído), mas com a formação em Administração que tenho, reconhecendo a “limitação” da colega em redação técnica (e fundamentada)!

    • Katia Brito

      8 de fevereiro de 2022 às 20:02

      É importante manter a “cabeça” boa, saber que é possível aprender coisas novas.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Colunistas

Programa musical tem ido além da valorização dos talentos 60+, trazendo debates sobre etarismo e as conquistas femininas

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Saúde & Bem-estar

Em sua 9ª edição, campanha alerta para a importância do cuidado com a saúde mental em tempos de prolongada pandemia e crises

Iniciativas & Projetos

Evento online da EternamenteSOU e Sesc Pompeia terá como tema "Nossos tempos e as questões de gênero, saúde e sexualidade"