conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Artigos

Velhice é doença?

Velhice é doença - artigo prof. Egídio Dórea

*Egídio Dórea

Simone de Beauvoir, célebre filósofa francesa e autora de um dos mais profundos estudos antropológicos sobre a velhice, resgatou nesse livro uma descrição do envelhecimento datada de 2.500 anos de um poeta egípcio que a termina com a frase: “… a velhice é a pior desgraça que pode acontecer ao homem.” Neste relato, ele descreve o envelhecimento sob a ótica de perdas e adoecimento. Hoje, 2.500 anos após, a velhice está prestes a ser classificada como doença. A própria Simone, em outra frase famosa, disse que envelhecer é viver. Será que viver tornou-se uma doença?

Um dos grandes fomentadores do preconceito pela idade, idadismo, é o de enxergarmos o envelhecimento como perdas, incapacidade, improdutividade, isolamento e doenças. São os estereótipos negativos que incorporamos ao longo das nossas vidas e que em determinado momento são ativados e fazem com que tenhamos pensamentos e atitudes discriminatórias.

O idadismo é considerado o mais frequente, afeta cerca de 80% da população idosa; universal, pois independe de cor, orientação sexual, religião, gênero e religião; e o menos discutido dos preconceitos.  Impacta negativamente as nossas oportunidades para um envelhecimento “saudável” e encurta a expectativa de vida em até 7,5 anos.

Conscientizar as pessoas sobre o processo de envelhecimento e desconstruir os estereótipos negativos através da informação e convívio intergeracional são os meios mais efetivos para combatê-lo. Mas como fazer isso com o envelhecimento sendo declarado oficialmente como doença? Quem, a partir deste momento, gostará de ser identificado como velho-doente? Quem quererá fazer parte desse novo grupo de quase 1 bilhão de novos doentes? 34 milhões somente no Brasil?

A categorização e medicalização de um processo natural do curso de vida é um grande retrocesso, senão uma violência contra todos nós: presente e futuro. Um novo motivo que alimenta, como bem citou Robert Butler, o paradoxo de que ao mesmo tempo em que festejamos os nossos ganhos de vida continuamos embebidos na cultura do medo de envelhecer. Provavelmente, beneficiará grandes atores da indústria farmacêutica e de cosméticos que há anos lutam por essa inclusão.

Mas individualmente e como o grupo populacional que mais crescerá nas próximas décadas só nos tornará mais excluídos. 2020-2021 ficarão na nossa história como anos em que o idadismo foi manifestado de forma magnificada. Primeiramente, pela pandemia da covid-19 e agora pela inclusão da velhice no código internacional das doenças. Ironicamente no momento em que a organização mundial de saúde lançou a década do envelhecimento saudável. Representam o retrato da nossa cultura que desvaloriza passado, história, conquistas e que impede as pessoas de envelhecerem com propósitos e de viverem sem o estigma de serem consideradas doentes. 

Egídio Dórea - USP 60+

*Egídio Dórea

É médico, professor de medicina da Universidade de São Caetano do Sul, coordenador do programa USP 60+, que oferece atividades para pessoas com 60 anos ou mais nos campi da USP, membro da Comissão de Direitos Humanos da USP, diretor da Aging2.0 Chapter Brasil e conselheiro do Centro Internacional de Longevidade Brasil (ILC-BR). Também está à frente da campanha #SouMaisSessenta, de valorização da pessoa idosa e combate ao idadismo.

(Imagem principal : Pessoas foto criado por pressfoto – br.freepik.com)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Eventos

O Programa Vem Dançar, iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME), terá neste ano um...

Notícias

Medida adotada pela prefeitura da capital, que entrou em vigor em fevereiro, vem gerando questionamentos por ter retirado um direito adquirido de idosos com...

Notícias

Estudo estima que o avanço da vacinação contra a covid-19 no país seja responsável pela prevenção entre a população 70+ e 80+