conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Notícias

Simpósio aborda desafios do envelhecimento ativo

Um dia todo de muito aprendizado sobre quatro pilares do envelhecimento ativo – Cuidados, Informática, Preconceito e Saúde Mental. Foi o que vivenciei ontem acompanhando a terceira edição do Simpósio USP Rumo ao Envelhecimento Ativo, realizado no auditório István Jancsó, da Biblioteca Brasiliana Guita e José Midlin, na USP. Entre os muitos especialistas presentes, destaque para o encerramento com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que no próximo mês completa 88 anos, e José Gregori, que foi ministro da Justiça e fez 88 no ano passado. “Eu tento viver com o máximo de energia que eu posso o momento que eu estou vivendo e pensar no momento do passo seguinte, no que vou fazer amanhã e ter sempre projeto”, afirmou o presidente.

Um grande público acompanhou o evento, que foi aberto discutindo o envelhecimento e o cuidado, com mediação da profa. dra. Monica Sanches Yassuda, diretora da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (Each) da USP. A profa. dra. Monica Perracini, do programa de Mestrado e Doutorado em Fisioterapia da Universidade Cidade de São Paulo (Unicid), destacou a tecnologia, que, segundo ela, cada vez mais é uma importante ferramenta para viver melhor. A longevidade vem atraindo a atenção de startups, com a criação de produtos e serviços que trabalham questões como smart homes (casas inteligentes) e dispositivos de segurança, assistentes digitais de saúde e o acompanhamento social e cognitivo. Para ela, a tecnologia pode ajudar, mas não deveria substituir o contato, que transforma quem recebe e quem oferece o cuidado.

Primeiro módulo contou com as professoras Monica Perracini, Monica Yassuda, Marília Berzins e Rosa Chubaci (Fotos: Katia Brito)

A profa. dra. Rosa Yuka Sato Chubaci, do bacharelado em Gerontologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (Each) da USP, teve como missão desmistificar o cuidado nas instituições de longa permanência para idosos (ILPI). De acordo com ela, estas instituições, antes conhecidas como asilos e hoje chamadas de residenciais, ainda carregam o estereótipo de abandono, mas não indicam necessariamente a exclusão do idoso do contexto social, nem ruptura dos laços sociais e familiares, desde que tenham um ambiente adequado, uma equipe preparada e atividades que atendam às especificidades dos idosos.  

O papel do cuidador foi abordado pela profa. dra. Marília Viana Berzins, presidente do Observatório da Longevidade Humana e Envelhecimento (OLHE) e coordenadora do curso de formação de Cuidador de Idosos oferecido pela ONG. Ela destacou a importância do cuidado, que é uma consequência da longevidade, e a importância da regulamentação da profissão.

Tecnologia

O segundo módulo, mediado por Sérgio Werther Duque Estrada, embaixador do Aging 2.0 São Paulo, foi dedicado à informática. Fabio Ota, CEO da International School of Game, a IS Game, apresentou o trabalho da empresa que ensina adultos 50+ a desenvolver games, contribuindo para o desenvolvimento do raciocínio lógico e a prevenção do declínio cognitivo. O projeto que funciona na Unicamp e tem unidades em São Paulo, foi financiado pela Fapesp. O principal desafio, segundo ele, foi e ainda é o preconceito por parte dos próprios idosos, por isso deve começar a ser trabalhado como projeto Cérebro Ativo, uma academia de ginástica cerebral.

Tecnologia foi o tema abordado por Fabio Ota, Sérgio Duque Estrada, Gláucia Alvarenga e Mórris Litvak

A gerontóloga Glaucia Martins de Oliveira Alvarenga abordou os impactos das redes na redução dos riscos de isolamento e solidão. Sua pesquisa indica que com a maior integração, os idosos descobrem novas habilidades. A inclusão digital provoca a atualização e compartilhamento, criando também novas redes de suporte.

A relação com o trabalho foi destacada por Mórris Litvak, fundador da Maturijobs, plataforma digital que faz a ponte entre empresas e profissionais 50+, também com foco na capacitação, encontros presenciais e que deve lançar a Maturiservices para que as pessoas possam oferecer seus serviços de forma pontual para empresas e pessoas físicas. Litvak tratou da necessidade de estar atualizado para manter-se relevante no mercado de trabalho após os 50 anos. E para as empresas, o desafio é enxergar o potencial deste público. Para ele, a tecnologia precisa ser vista como aliada, não como barreira.  

Preconceito

O módulo sobre preconceito marcou o retorno do evento no período da tarde, com a mediação do prof. dr. Egídio Lima Dórea, organizador do simpósio e coordenador da USP Aberta à Terceira Idade. O prof. dr. Jorge Felix, do Centro de Estudos da Economia da Longevidade, abordou a tradução do termo “ageism”, criado pelo psiquiatra americano Robert Butler, em 1968. Felix defende que o mais adequado seria adotarmos como “idosismo”, e não “ageísmo” como é utilizado hoje. O termo atual, segundo ele, retira a ênfase da pessoa idosa, nega a velhice, não caracteriza a estigmatização e fragiliza o sujeito político na esfera pública.

Egídio Lima Dórea (no centro) mediou o módulo com Izabela Toledo, Jorge Felix e Ana Cláudia Bonilha

A consultora organizacional psicodramatista, Izabela Toledo, da FESA Group, trouxe o exemplo de seu avô Celso Falabella de Figueiredo Castro, que faleceu aos 103 anos, e foi lúcido até os cem, para tratar o preconceito no mercado de trabalho. Contando a história do avô, ela destacou as competências que ele tinha e hoje são exigidas pelo mercado: adaptabilidade e resiliência, curiosidade pela vida e aprendizagem, coragem para experimentar e mudar, e relacionamento, sentido de pertencer. Para ela, é preciso vencer os nossos próprios preconceitos, vencer a dificuldade de lidar com o desconhecido, e encarar o novo como uma possibilidade de aprender algo diferente.

O preconceito nas instituições de saúde foi destacado pela profa. dra. Ana Cláudia Bonilha, doutoranda em Saúde Coletiva. De acordo com ela, é preciso ajustar o modelo de atendimento ao idoso, rever valores e crenças que causam a discriminação etária e formar profissionais capacitados. Ana Cláudia usou o termo “gerontofobia sanitária” para a aversão do idoso no campo da saúde, que resulta na generalização de dores, uma investigação pouco minuciosa dos sintomas e o preconceito em diagnosticar doenças sexualmente transmissíveis.  

Bem-estar                                                 

Dórea também foi moderador do módulo inicialmente chamado de Saúde Mental, mas renomeado por ele de Bem-estar. A profa. dra. Vera Brandão, da PUC-SP, abordou o envelhecimento como o processo da vida; longevidade, a perspectiva de uma vida mais longa, o longeviver; espiritualidade, como sentido de vida, a capacidade de dialogar com o eu profundo e entrar em harmonia com os apelos que vêm da interioridade, citando o padre Léo Pessini, e religiosidade, termo para as religiões instituídas, como cristianismo e judaísmo. Vera destacou que é preciso respeitar o poder das crenças e utilizá-las para acelerar a cura e a recuperação de idosos.

Rui Afonso, do Grupo de Bem-Estar e Práticas Contemplativas do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, abordou meditação, qualidade de vida e estresse. Segundo ele, um novo estilo de vida, atividade física e alimentação pode retirar a pessoa do envelhecimento mal sucedido, assim como o estresse pode causar ou agravar a maior parte das doenças e são muitos os estímulos que “agridem o organismo”, como trânsito e excesso de trabalho. Ele ressaltou os aspectos positivos da atenção sustentada na prática contemplativa, quando a pessoa se concentra e relaxa a lógica, ou seja, não analisa, não julga e não cria expectativas.

Exemplos

E para o encerramento, o tema “Envelhecimento e Propósito”, contou com a participação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e de José Gregori (clique para assistir trechos da palestra). “São as coisas realmente importantes que ficam, elas é que dão saudade. Então de repente você vê que o sorriso que uma criança deu num determinado momento é uma coisa insubstituível, e que a recordação desse momento faz você esquecer o que você acabou de ver e ouvir no Jornal Nacional”, disse Gregori. Para ele, o momento é de requalificar, redimensionar, repensar as coisas, e perceber que ao que se dedicou, os Direitos Humanos, valeu a pena.

José Gregori, Fernando Henrique Cardoso e Egídio Lima Dórea encerraram o evento

Para o ex-presidente, a vida é feita de acasos, acasos que o levaram a Presidência após realizar seu sonho de ser professor na USP e em outras instituições. Ele destacou a importância de dar sentido a vida, viver a plenitude de cada momento, manter uma jovialidade espiritual, a capacidade de entender o que está mudando, diante das enormes  transformações do mundo, e em vez de pensar no que passou, ficar aspirando o que vai acontecer, o que pode ser feito e fazer com satisfação. (Katia Brito)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Artigos

*Egídio Dórea Simone de Beauvoir, célebre filósofa francesa e autora de um dos mais profundos estudos antropológicos sobre a velhice, resgatou nesse livro uma...

Eventos

O Programa Vem Dançar, iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME), terá neste ano um...

Notícias

Medida adotada pela prefeitura da capital, que entrou em vigor em fevereiro, vem gerando questionamentos por ter retirado um direito adquirido de idosos com...