conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Saúde & Bem-estar

Saúde auditiva contribui para a qualidade de vida

Dra.Tanit Ganz Sanchez, médica otorrinolaringologista, alerta para problemas no ouvido ao envelhecer; prevenção e impactos

Saúde auditiva tem impacto no envelhecer

Os ouvidos geralmente nascem com potencial para uma excelente performance ao longo da vida. Porém, segundo a dra.Tanit Ganz Sanchez medica otorrinolaringologista com doutorado e livre-docência pela USP, especialista em zumbido, como tudo no corpo, o sistema auditivo também envelhece natural e gradativamente, diminuindo a capacidade em manter a mesma função auditiva.

A especialista destaca que “nossa qualidade de vida está muito relacionada à capacidade de comunicação e interação entre as pessoas; portanto, ouvir bem é fundamental para uma boa performance pessoal, profissional, social e familiar”. Segundo ela, o ouvido é um órgão de respostas sutis e precoces; seus sintomas não matam, mas ele é um dos primeiros a mostrar que algo não está bem no organismo.

Entre as características que contribuem para a vulnerabilidade dos ouvidos, dra. Tanit explica que são órgãos que trabalham continuamente, mesmo quando dormimos (nunca desligam). Como gastam energia continuamente e não têm como armazenar há problemas se isto não ocorre, como em longos períodos de jejum, ou se recebem “combustível adulterado”, como a ingestão frequente de doces, carboidratos simples, frituras, cigarro, álcool e drogas.

Dra.Tanit Ganz Sanchez medica Otorrinolaringologista
Dra.Tanit Ganz Sanchez alerta para cuidados com a saúde auditiva

A chegada do sangue para o ouvido também contribui para a vulnerabilidade dos ouvidos, já que ocorre por meio de uma única artéria fina. A dra. Tanit alerta que haver uma obstrução por causa de placas de gordura, decorrente de diabetes, pressão alta, colesterol ou triglicérides altos.

Envelhecimento

Como o envelhecimento é um processo gradativo, a médica otorrinolaringologista ressalta o possível surgimento da presbiacusia (nome oficial da perda auditiva relacionada ao envelhecimento natural), que instala-se lentamente e reflete a diminuição de células auditivas e fibras do nervo auditivo. Perda que, em geral, começa a partir dos 60 anos, mas alguns indivíduos podem manifestá-la a partir dos 50 anos.

Além do envelhecimento natural, interferem na saúde auditiva a hereditariedade e os hábitos cultivados ao longo da vida. “É a época de colher o que se planta na juventude e na idade adulta. Muitos idosos acumulam níveis de perda auditiva maiores que representam a somatória do hábito de se expor a sons altos, diabetes, hipertensão arterial, hiperlipidemia (aumento do colesterol), uso de medicamentos ototóxicos (anti-inflamatórios, quimioterápicos, estimulantes sexuais e outros), além da intoxicação por metais pesados (chumbo, mercúrio, arsênico)”, alerta a médica.

Infelizmente, segundo a especialista, a vida moderna trouxe muitas maneiras de estragar os ouvidos e todos nós estamos mais sujeitos a ter problemas, inclusive os jovens. Isso porque os ouvidos estão sendo comprometidos muito cedo por causa das baladas, dos fones de ouvido e de ambientes barulhentos que fazem parte da vida de muitos.

Entre os problemas mais frequentes que comprometem a saúde auditiva, dra. Tanit lista:

Perda auditiva

Todo mundo pensa que os problemas de ouvido estão relacionados apenas à perda auditiva. Só que, antes da perda auditiva ser percebida, outros sinais já mostram que os ouvidos estão sendo bombardeados. Sempre é útil prestar atenção nessas sutilezas para tratá-las mais cedo. Com isso, aumenta a chance de melhorar do problema e de prevenir que o ouvido piore como um todo.

Dificuldade de entendimento da fala

“É o famoso: ‘eu ouço, mas não entendo’. Isso já sugere que o ouvido tem perda de células auditivas, principalmente para sons mais agudos. Quando o paciente conversa com alguém que está à sua frente, o entendimento é ótimo, mas quando a pessoa está fora do campo de visão ou num ambiente que tem vários outros sons (ex: restaurantes, pizzarias, reunião com várias pessoas juntas), o entendimento piora bastante”.

Zumbido no ouvido

“É um barulho no ouvido (chiado, apito, cigarra etc), mais percebido em momentos de silêncio. Só quem tem consegue ouvir. Por incrível que pareça, o zumbido ainda é um desconhecido de muita gente, mas estima-se que já afeta 22% da população geral (cerca de um a cada cinco pessoas) e 33% dos idosos (cerca de um a cada três idosos)”.

Hiperacusia

“Um tipo de incômodo com determinados sons, que parecem mais altos do que eles realmente, como som da televisão, rádio, vozes das pessoas e liquidificador. Esse sintoma pode aparecer em qualquer idade e já afeta 10% da população”.

Dicas para manter a saúde auditiva

Além de seguir as recomendações de seu médico, a especialista salienta que a vida saudável ajuda a ter ouvidos saudáveis:

1. Em festas, shows ou bares ruidosos: use protetores de ouvido e faça intervalos periódicos (10 minutos a cada uma hora). Isso faz muita diferença para a segurança dos ouvidos! Não ache “normal” sair da balada com zumbido!

2. Com fones de ouvido: evite ultrapassar a metade da potência do aparelho ou usar mais que duas horas seguidas.

3. Alimente-se bem, de quatro a seis vezes ao dia, pouca quantidade, evitando abuso de cafeína, doces, sal, álcool e nicotina. A boa nutrição é a base para o funcionamento normal do ouvido e de sua pequena circulação.

4. Hidrate-se bem: beba água ou água de coco para seus rins conseguirem eliminar melhor as toxinas.

5. Exercite-se cinco vezes por semana: combata o sedentarismo; o metabolismo de glicose e gorduras vai melhorar, assim como a circulação cerebral e dos ouvidos.  Além disso, o fortalecimento muscular ajuda o equilíbrio, reduzindo o risco de queda!

6. Troque momentos de silêncio por estimulação dos seus ouvidos com baixo volume de sons suaves, mesmo durante a leitura ou o sono. Isso ajuda bastante no controle do zumbido e da hipersesnsibilidade auditiva, mas é preciso persistência. Evite pensar que você não vai conseguir se concentrar.

7. Diminua o tempo de celular direto no ouvido: use mais mensagens de texto, viva-voz ou fone, pois a energia eletromagnética tem se mostrado prejudicial a alguns ouvidos.

8. Evite automedicação: certos antiinflamatórios e antibióticos podem agredir os ouvidos. Ao menor sintoma, já avise seu médico.

9. Re-la-xe! Estresse afeta o ouvido, do mesmo modo que o estômago, o coração, a pressão etc. Alivie seu estresse com atividades relaxantes eficazes: yoga, meditação, Tai-Chi-Chuan, Chi-Cong etc.

10. Incorpore mais momentos de prazer na sua vida: atividade física, passeios, relacionamentos saudáveis, cinema etc. Momentos de felicidade ajudam a restaurar nossos órgãos, inclusive os ouvidos.

11. Quedas em idosos por tontura podem ser graves. Adote cuidados simples como evitar encerar o chão ou usar tapetes soltos; preferir solados e pisos antiderrapantes; instalar luzes junto ao chão para facilitar a caminhada à noite; colocar corrimão nos dois lados da escada e barras de segurança no banheiro; sentar-se na cama antes de levantar.

12. Visite seu médico regularmente para exames preventivos, tanto auditivos como de saúde geral.

(Fonte: Instituto Ganz Sanchez / Imagem principal Mulher foto criado por karlyukav – br.freepik.com)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Eventos

O Programa Vem Dançar, iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME), terá neste ano um...

Notícias

Medida adotada pela prefeitura da capital, que entrou em vigor em fevereiro, vem gerando questionamentos por ter retirado um direito adquirido de idosos com...

Notícias

Avanço da campanha de imunização no Estado, de acordo com o governo paulista, depende da chegada das vacinas da Fiocruz