conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Velhices

Neuza Guerreiro de Carvalho: blogueira e memorialista

No III Simpósio USP Rumo ao Envelhecimento Ativo, realizado na última quinta-feira, dia 16 de maio, pude rever uma pessoa muito especial. Eu conheci seu trabalho no primeiro Simpósio USP Rumo ao Envelhecimento Ativo, quando foi uma das palestrantes, e essa semana tive a oportunidade de entrevistá-la pouco antes do início da terceira edição do evento. Neuza Guerreiro de Carvalho tem 89 anos e desde 2008 mantém o blog Vovó Neuza. Antes, em 2004, ela criou o curso Resgate de Memória Autobiográfica, que há cinco anos faz parte da USP Aberta à Terceira Idade (UATI). “Ao longo dos anos venho tentando me descrever, falar de como me sinto e dos objetivos do ano a cada época”, explica na introdução da seção “Eu sou assim” do blog.

Neuza conta que sem perfil de escritora e para lidar com editoras, “que sempre corta muita coisa que é importante pra você”, ela criou o blog. “É um negócio que você escreve sobre o que você quer, a hora que você quer, quanto você quer e sobre o que você quer”, explica. E o conteúdo é bem trabalhado, baseado em seu interesse por música, literatura, artes visuais, história de São Paulo e memória: “Um texto de um blog é um parto, porque você precisa pensar no tema, gestar aquele tema, ficar muito tempo na cabeça até passar pro papel, daí você tem que fazer um texto, eu ponho muita imagem sempre”.

A blogueira já foi destaque em diversos veículos, e revela que não se preocupa com a audiência, que aumentou depois de uma participação no programa Ana Maria Braga (Globo). Neuza também está presente nas redes sociais, embora não goste muito. “Quando começa muito bate-papo de comadre, eu caio fora, mas eu publico algumas coisas importantes. Não tem um tema, é muito pontual. Tinha um buraco na frente do meu prédio que estava muito perigoso, eu comecei a tratar o buraco pela rede social, botando fotografia, etc. Eles vinham consertavam e de tarde já estava o buraco de novo, insisti até que eles fizeram o negócio direito, o buraco já está fechado. Então é muito diferente, eu vou em um conserto, acho maravilha, então eu comento; eu leio um livro muito bom, então eu comento e indico”.

Os diferentes tipos de pessoas que passam pelo curso de Resgate de Memória a encantam: “É uma delícia porque são pessoas diferentes, geralmente o nível cultural é mais ou menos igual, mas a assimilação não tanto. Essa variabilidade de gente para participar é maravilhoso. Você vai se renovando à medida que você conversa, geralmente são mais jovens do que eu, tem alguns lugares que eu vou para palestra, etc, e todo mundo é mais novo que eu”.    

O curso é dividido em 16 temas que, segundo ela, seguem “mais ou menos” a ordem cronológica de uma vida, em encontros semanais realizados durante quatro meses. São apenas 12 vagas. Atualmente ela conta com a parceira de uma psicóloga. “Cada tema é discutido com textos de apoio e durante a semana elas escrevem uma tarefa referente aquele tema. Por exemplo, essa semana eu já recebi as tarefas, elas ficam com uma cópia para fazer o livro delas, e uma elas me entregam, porque eu leio tudo e comento, às vezes dando sugestões. Essa semana foi sobre um tema muito interessante que é vida afetiva, já passamos por identidade; infância; escolas; família que recebi, pai e mãe; e adolescência. Vida afetiva, namoro, noivado e casamento é um tema maravilhoso de discussão, de testemunhos de época, de mudanças de época”.

Embora não pense em parar tão cedo, Neuza se preocupa com a continuidade dos encontros. “Pretendo ir em frente enquanto eu tiver autonomia. Eu me desloco de bengala por segurança. Tenho a visão clara que eu preciso deixar alguém encaminhado, que participe de alguns desses grupos que são semestrais. É muito trabalhoso, principalmente porque eu leio todas as tarefas. Estou preocupada, porque esse trabalho é muito pessoal”.

Nascida em 12 de abril de 1930, esta paulistana se formou em 1951 no antigo curso de História Natural, quando a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, funcionava no Palácio Jorge Street, na esquina da Alameda Glete com a rua Guainazes, no centro de São Paulo. O prédio foi demolido nos anos 1970, e como memória daquele tempo restou a Figueira da Glete, que Neuza tem lutado para que permaneça. E sobre a idade, escolhi um trecho escrito por ela no blog em 2008: “Prefiro dizer, mais poeticamente, parafraseando Machado de Assis: Estou naquela idade inquieta e duvidosa/que é um fim de tarde/e começa a anoitecer”. (Katia Brito)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Artigos

*Egídio Dórea Simone de Beauvoir, célebre filósofa francesa e autora de um dos mais profundos estudos antropológicos sobre a velhice, resgatou nesse livro uma...

Eventos

O Programa Vem Dançar, iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME), terá neste ano um...

Notícias

Medida adotada pela prefeitura da capital, que entrou em vigor em fevereiro, vem gerando questionamentos por ter retirado um direito adquirido de idosos com...