conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Notícias

Inês Rioto destaca desafios da habitação na esfera pública

Chamar a atenção para a questão da moradia para quem não tem condições de arcar com um condomínio ou uma instituição de longa permanência e a possibilidade de unir esforços públicos e privados em novos projetos foi o que fez Inês Rioto, de 66 anos, pesquisadora e consultora em moradia para pessoa idosa no evento “Moradia 60+ – Desafios, opções e tecnologias para longevidade”, promovido pela Aging 2.0 Brasil e a Ativen, na terça-feira, no auditório da Unibes Cultural, em São Paulo (veja a matéria sobre o evento no blog). Inês também mantém o site Plenitude Ativa, com conteúdo sobre moradia e envelhecimento, e prepara o livro Morar60mais. Confira a entrevista que ela deu ao blog no evento.

Nova Maturidade: Como você a importância de trazer este tema para o evento?

Inês Rioto: Nós achamos que era preciso chamar a atenção um pouco até deles mesmos (empresas do mercado imobiliário) para lembrar que nós estamos falando de públicos de pontas diferentes: aquele que tem condição e vai poder morar em qualquer lugar, e aquele que não tem, mas que a gente pode unir as duas coisas.

NM: Quanto a políticas públicas, o Estatuto do Idoso prevê a reserva de 3% das unidades residenciais em programas públicos, como o Minha Casa, Minha Vida, ou subsidiados.

Inês: A gente não sabe se isso acontece, porque no país ter lei é uma coisa, e a lei ser cumprida é outra. Não tem nada que a gente acompanhe para saber se isso realmente acontece. O Estatuto do Idoso diz, por exemplo, que preferencialmente as unidades devem ser no térreo e, obviamente, eu coloco que deveria ter acessibilidade, porque não é que é no térreo que você não tem que ter acessibilidade, como um banheiro com uma barra que é uma coisa tão simples e nada cara.

NM: Como as pessoas estão lidando com o envelhecimento?

Inês: O brasileiro não aceita que está envelhecendo, se criou aquela ideia tão grande que o pais é um pais de jovem, e a minha geração, eu tenho 66 anos, nós que somos os baby boomers (nascidos no período pós-guerra), é completamente diferente de que quem tinha 66 anos há dez, vinte anos atrás. A gente continua trabalhando, continua na ativa. Em uma aula há pouco tempo na Faculdade de Medicina, na disciplina de Residência Multidisciplinar, perguntei: ‘descreve pra mim o idoso’, e responderam: ‘o idoso é aquele velho enrugado que anda de bengala’. Você vê que mesmo o jovem que está na faculdade ainda tem essa ideia.

NM: E quando a questão é moradia?

Inês: Quando eu pergunto: ‘responde pra mim uma casa pro idoso’, a resposta é: ‘asilo, casa de repouso’. No Brasil a gente troca os nomes agora são comunidades, você não tem mais asilo, são instituições de longa permanência para idosos. O que me preocupa é que na classe AAA a família e a própria pessoa querem uma coisa boa, vão brigar para que aquilo funcione, e quando você pega o público, hoje em dia você aluga uma casa, coloca gente lá dentro, umas camas e acabou. Isso é preocupante porque cada vez vamos envelhecendo mais.

NM: Qual sua avaliação dos projetos públicos já existentes?

Inês: No Estado de são Paulo tem um programa que os outros estados não têm. A Paraíba tem uma vila que é parecida, o Cidade Madura. Em São Paulo, o Vila Dignidade está em 18 cidades e nós temos 645 municípios no Estado, é pouco, mas tem. Não dá só pra gente pensar na parte negativa, vamos achar que isso é ótimo e estimular para que continue e amplie. A Prefeitura de São Paulo tem a Vila dos Idosos no bairro do Pari. É ótimo, vamos estimular, acompanhar e ver se a gente não consegue fazer uma junto com a iniciativa privada, com as PPPs (Parceiras Público- Privadas).

NM: A situação é diferente em outros países?

Inês: Você tem iniciativas públicas na Holanda, nos Estados Unidos, na Espanha, no Reino Unido, também lá é pouco, só que lá eles se prepararam. O Brasil envelheceu muito rápido. Alexandre Kalache (referência em envelhecimento) vive falando que a França levou cem anos, aquilo que o Brasil levou dez. Acho que há muitos outros temas como esse, a gente precisa falar de moradia. Quanto mais a gente falar, mais a gente vai alertando as pessoas. (Katia Brito)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Artigos

*Egídio Dórea Simone de Beauvoir, célebre filósofa francesa e autora de um dos mais profundos estudos antropológicos sobre a velhice, resgatou nesse livro uma...

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Eventos

O Programa Vem Dançar, iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME), terá neste ano um...

Notícias

Medida adotada pela prefeitura da capital, que entrou em vigor em fevereiro, vem gerando questionamentos por ter retirado um direito adquirido de idosos com...