conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Saúde & Bem-estar

Doença de Alzheimer: higiene bucal e prevenção

O cirurgião-dentista pode ter um papel importante no retardo e tratamento da doença que pode atingir 150 milhões de pessoas até 2050

Alzheimer - higiene bucal e prevenção

Em 21 de setembro é celebrado o Dia Mundial da doença de Alzheimer e a saúde bucal tem um papel importante. A data tem como principal objetivo aumentar a compreensão e reduzir os estigmas sobre essa doença degenerativa que afeta milhões de pessoas no mundo. Em 2021, uma revisão de literatura publicada na Revista Eletrônica Acervo Científico, produzida pelo Centro Universitário Atenas, de Minas Gerais, sugere que doenças periodontais estão relacionadas com o Alzheimer.

De acordo com o artigo, as bactérias causadoras da periodontite acarretam uma resposta inflamatória sistêmica agravada pelas células de defesa do indivíduo. Como consequência, esse quadro facilita seu desenvolvimento, em pessoas predispostas, ampliando os efeitos nocivos dos pacientes com demência.

Além disso, o acesso das bactérias ao córtex cerebral e a consequente liberação de citocinas pró-inflamatórias constituem um mecanismo pelo qual a periodontite pode se relacionar com o desenvolvimento do Alzheimer. Quando a doença se instala, a higiene bucal fica comprometida, aumentando ainda mais o estado de confusão mental do paciente e, também, seu comportamento – estresse, irritação e desconforto.

Sabe-se, portanto, que a saúde bucal é muito importante para a prevenção do Alzheimer, por isso, a associação do hábito diário de escovar os dentes, somado ao uso de fio dental e o acompanhamento de um cirurgião-dentista pode auxiliar, e muito, o retardo ou prevenção do desenvolvimento da doença.

Cuidados especiais

A presidente da Câmara Técnica de Odontogeriatria do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP), dra. Denise Tibério, reforça que o paciente com Alzheimer precisa ter um cuidado especial para não desenvolver doenças periodontais. A gengivite e a periodontite estão relacionadas com o acúmulo de placas bacterianas na superfície dentária, por isso a dificuldade de higienização à medida que a doença prospera, fazendo com que aumentem os biofilmes nas superfícies dentárias, evoluindo mais a progressão dessas doenças bucais”.

A especialista em Odontogeriatria destaca, ainda, que o Alzheimer possui três fases principais, é preciso um cuidado especial com a saúde bucal e a assistência de familiares ou cuidadores, para cada uma das fases:

Fase inicial

“O idoso esquece de fazer a higiene e precisa ser lembrado. É indispensável orientá-lo sobre a utilização correta da escova de dentes, assepsia da língua, estimular o fluxo salivar, além de orientar o uso de próteses, se for o caso”, orienta. Neste período, o idoso apresenta as primeiras dificuldades, que quase sempre são confundidas com o envelhecimento natural e passam despercebidas. A Odontogeriatria, conhecendo a evolução da doença, pode auxiliar na elaboração de um planejamento para propiciar conforto e qualidade de vida.

Fase intermediária

“É provável que tenhamos a figura de um cuidador, pois há o comprometimento da rotina do idoso, e o profissional precisa ser orientado sobre a abordagem e como fará a higiene bucal do paciente. A retirada das próteses é aconselhável nesta etapa”, destaca.

Fase avançada

Na fase avançada, a limpeza da boca torna-se mais difícil. Muitas vezes, a alimentação ingerida é pastosa e, provavelmente, o idoso já esteja acamado, podendo apresentar alterações de comportamento”, completa a cirurgiã-dentista.

Sinal de Alerta

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que existam 35,6 milhões de pessoas com a doença de Alzheimer no mundo, número que tende a dobrar até 2030 e triplicar até 2050. Os números também são impactantes no Brasil, com uma população de quase 30 milhões de pessoas acima de 60 anos, sendo a idade o único fator de risco reconhecido mundialmente para a doença.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mesmo com subnotificação, quase dois milhões de pessoas no Brasil sofrem de demências e, cerca de 40 a 60% delas, são do tipo Alzheimer. Esses dados são da última pesquisa realizada em 2019.

À medida em que a população de idosos aumenta, é fundamental contar, ainda mais, com a presença do profissional de odontologia, participando do tratamento desses pacientes com Alzheimer ou qualquer outra demência desde a fase de planejamento do tratamento, seja para atendimento em consultórios, hospitais, instituições de longa permanência, ou em domicílio. 

“O cirurgião-dentista, neste momento, torna-se um ‘educador’ da família e dos cuidadores responsáveis, orientando-os e treinando-os para manter a higiene bucal do paciente com qualidade de vida e, assim, ganhar sua confiança”, conclui a dra. Denise Tibério.

(Fonte: CROSP / Imagem: Freepik)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Artigos

*Egídio Dórea Simone de Beauvoir, célebre filósofa francesa e autora de um dos mais profundos estudos antropológicos sobre a velhice, resgatou nesse livro uma...

Colunistas

Programa musical tem ido além da valorização dos talentos 60+, trazendo debates sobre etarismo e as conquistas femininas

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Saúde & Bem-estar

Em sua 9ª edição, campanha alerta para a importância do cuidado com a saúde mental em tempos de prolongada pandemia e crises