conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Eventos

Fórum termina com foco no protagonismo e valorização

Terceiro eixo abordou testamento vital, mercado de trabalho para 50+, combate ao idadismo e conexões e relações na comunidade

Protagonismo e valorização da pessoa idosa foram os temas do último dia do I Fórum Nacional da Pessoa Idosa. O terceiro eixo trouxe temas como testamento vital, mercado de trabalho para pessoas 50+ e conexões e relações na comunidade. Na Mesa de Debate, a participação especial da ativista da velhice, Marie Claire Eshkenazy, que no dia 17 de abril completou 82 anos. A mediadora do dia foi a juíza Monize Marques, coordenadora da Central Judicial do Idoso (CJI) do Distrito Federal.

A abertura do eixo 3: “Protagonismo da pessoa idosa e mecanismos de valorização” foi com Luciana Dadalto, coordenadora do Comitê de Bioética da Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP). O tema abordado foi “O testamento vital como instrumento de protagonismo da pessoa idosa”. A especialista destacou que apesar de pouco conhecido, o testamento vital é um documento extremamente importante para manifestar a vontade e escolher os tratamentos desejados ou não no fim de vida.

Para a especialista, o debate sobre a morte é interdependente a todas as discussões sobre o envelhecimento, pois assim como o ideal é que todos envelheçam de modo ativo, também no momento da morte é fundamental ser o protagonista da própria história. Segundo a especialista, não se trata de um formulário pré-fabricado, mas algo que reflita a história de vida da pessoa, trazendo seus valores e desejos diante de uma situação de adoecimento.

O documento, que não precisa ser registrado em cartório, pode ser feito por qualquer pessoa a partir dos 18 anos enquanto perdurar a capacidade de discernimento. O testamento deve ser datado e assinado, sem a necessidade de testemunhas. A recomendação é conversar com profissionais de saúde de confiança para alinhar o desejo e o que é possível do ponto de vista da medicina. Importante também a conversa com os familiares e amigos para que tenham ciência do documento e das vontades que ele expressa.  

Mercado de trabalho

“O mercado atual de trabalho para os 50+” foi o tema da segunda palestra, ministrada por Mórris Litvak, fundador e CEO da Maturi. Segundo ele, embora estejamos vivendo a revolução da longevidade e 57% da força de trabalho em 2040 deve ser composta por pessoas com mais de 45 anos, há muitos mitos e preconceitos que precisam ser vencidos.

Viver mais tempo não se trata apenas do acesso à saúde, mas a necessidade de se manter por mais no mercado de trabalho. Para Mórris, a pandemia escancarou o preconceito etário, que foi ou será sentido por todos. A perda de emprego dos maduros também foi acelerada e, mesmo com a volta das contratações, as vagas são destinadas aos mais jovens.

O empreendedor ressaltou a necessidade da quebra de paradigmas, mudando a percepção de empresas, líderes, gestores, Recursos Humanos (RH). A missão da startup Maturi é transformar a relação entre os 50+ e o mercado de trabalho, dentro e fora das empresas. Segundo ele, é preciso espaços para que as pessoas possam continuar trabalhando até quando queiram, não até quando digam que elas possam.  

Conexões e comunidade

Paulo Borges Junior, presidente do Instituto Total Educação e Cultura, apresentou a palestra “Da vida, o fluxo – A consciência de comunidade nas usas conexões e relações”. Formado em engenharia civil e na área teológica, destacou que para melhorar a comunicação entre gerações é preciso estar atento à qualidade da comunicação entre as partes envolvidas, se há quebra ou obstrução que comprometa esse fluxo.

Paulo também ressaltou a diferença entre comunidade – conjunto de organismos que habitam meio ambiente comum e se inter-relacionam, e a coletividade – associação entre iguais, ou seja, um conjunto de indivíduos reunidos para um fim ou interesse comum. Segundo ele, a tendência brasileira é a criação de ambientes coletivos e a mobilização de iguais, e não a promoção e construção de pensamentos e ambientes comunitários.  

Outra questão apontada por ele é se estamos construindo pontes ou erguendo muros de separação. As pontes de comunicação promovem a formação das comunidades diferentes, proativas, engajadas, ou seja, que tomam para si a responsabilidade de transformação. Enquanto os muros reforçam a segregação social e a militância. O desafio é que as questões ligadas ao envelhecimento brasileiro sejam tratadas de forma comunitária, estimulando o protagonismo, sem segregação.

Idadismo

A mesa de debate que encerrou o Fórum Nacional teve como tema “O impacto da comunicação do idadismo X a valorização do envelhecer”. A jornalista especializada em saúde e longevidade Lina Menezes, da TV Faz Muito Bem, conduziu a conversa com Willians Fiori, especialista em longevidade e criador do Gerocast, e a ativista da velhice Marie Claire Eshkenazy.

Lina destacou que a forma como nos comunicamos impacta e constrói, e pode incentivar a formação de pontes, como disse o palestrante anterior, criando verdadeiros laços sociais. E a tecnologia torna cada pessoa corresponsável para o bem ou para o mal por essa comunicação, como visto na pandemia com memes e fake news.   

Para combater o idadismo e a desigualdade, promovendo a  inclusão de todos, Lina aponta o caminho da educação e do aprendizado. O envelhecimento deve então ser discutido desde a infância, com estimular à intergeracionalidade para mudar a cultura em relação à jornada da vida que é o envelhecimento.

Para Willians Fiori, o envelhecimento, a longevidade é uma construção. Quando a pessoa chegar aos 60 anos, pode viver mais 40 anos, ou seja, viver outra vida. E nesta época da pandemia, a pergunta é: você tem medo de morrer ou de não viver?

Na economia da longevidade, ele destaca que há produtos e serviços que precisam ser específicos, mas soluções universais atendem a todos, idosos ou não. O desafio para o mercado e para a criação de políticas públicas é dar voz ao idoso, para que ele seja inserido dentro do que já existe. A chave para Willians também está na educação, que começa dentro de casa, com os filhos e netos, desenvolvendo uma cultura gerontológica que permita se colocar no lugar do outro e ter empatia.

Protagonismo

Ativista da velhice, blogueira, escritora, Marie Claire afirmou que viver tem potencial engrandecedor e o ato de existir é uma condição essencial de todo ser humano. Ela chegou ao Brasil aos 12 anos, fugindo com a família do Holocausto, e  até os 68 anos, nunca tinha se preocupado com as palavras, idoso ou velhice. Foram os golpes da vida que a fortaleceram e ela decidiu se tornar protagonista de sua própria história.

Ao longo do caminho, a ativista foi se descobrindo e ressignificando a vida, como ocorreu na pandemia.  Segundo ela, “todo idoso tem aspirações e deseja ser protagonista da própria vida, mas muitas vezes isso lhe é vedado. Envelhecer não é tão fácil assim, mas a única escolha possível é viver com todas as maravilhas e dores.”

Para Marie Claire, vencer o preconceito contra a pessoa idosa vai levar gerações. Infelizmente sempre vai existir quem não entende a necessidade do protagonismo do idoso. Ela mesma passou por situações desagradáveis, e por vezes a pessoa idosa evita o desgaste de certas situações. Mas ela segue amando a vida e aprendendo sempre.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Notícias

Medida adotada pela prefeitura da capital, que entrou em vigor em fevereiro, vem gerando questionamentos por ter retirado um direito adquirido de idosos com...

Eventos

O Programa Vem Dançar, iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME), terá neste ano um...

Notícias

Avanço da campanha de imunização no Estado, de acordo com o governo paulista, depende da chegada das vacinas da Fiocruz