conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Notícias

Fiocruz mostra efetividade de vacinas em idosos

Pesquisadores avaliaram as vacinas aplicadas da AstraZeneca/Oxford e CoronaVac na redução de casos graves e hospitalizações

Fiocruz - estudo efetividade vacinas
Vaciinação na Comunidade Quilombola Ivaporunduva, em Eldorado, no interior de São Paulo, em janeiro (Governo do Estado de SP/Divulgação)

Um estudo da Fiocruz confirma a efetividade das vacinas da AstraZeneca/Oxford e CoronaVac na redução de casos graves e hospitalizações de pessoas idosas. A análise, divulgada no dia 9 de julho, por meio de Nota Técnica do Observatório Covid-19 da Fiocruz, se baseou na comparação dos dados de vacinação de idosos tanto com a primeira dose como com as duas doses com os registros de hospitalização e morte por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) ou Covid-19 (confirmada ou suspeita).

No caso da primeira dose, independentemente da vacina aplicada, o estudo avalia que a efetividade foi de 73,7% na faixa dos 60 a 79 anos, e de 63% entre as pessoas com mais de 80 anos. Com pelo menos a primeira dose da AstraZeneca/Oxford, produzida no Brasil pela Fiocruz, foi constatada uma efetividade de 81,7% na faixa de 60 a 79 anos, e 62,8% entre os 80+. Com a CoronaVac, o índice observado foi de 70,3% entre 60 e 79 anos, e 62,9% para maiores de 80 anos.

Com o esquema completo de duas doses a efetividade, de acordo com a Fiocruz, aumenta, independentemente da vacina aplicada, para 79,8%, de 60 a 79 anos, e 70,3% acima de 80 anos. Com as duas doses da AstraZeneca, foi estimada uma efetividade de 93,8% de 60 a 79 anos, e 91,3% acima dos 80 anos. Entre os vacinados com as duas doses da CoronaVac, os índices foram de 79,6% de 60 a 79 anos, e 68,8% acima dos 80 anos.

A Nota Técnica explica a menor efetividade em algumas faixas etárias, particularmente para os mais idosos, com 80 anos ou mais: “a imunossenescência (conjunto de alterações que ocorrem na resposta imune de acordo com o envelhecimento) e uma duração mais limitada da imunidade no grupo 80+ poderia levar também a uma menor efetividade, haja vista que este grupo teve prioridade para iniciar mais cedo o processo de imunização”.

Variantes

Os autores da Nota Técnica observam que um dos diferenciais desse estudo é apresentar evidências de efetividade das vacinas frente a variantes de preocupação que têm predominância no território brasileiro. A eficácia dessas vacinas já foi demonstrada anteriormente nos respectivos estudos clínicos.

Os pesquisadores envolvidos no estudo afirmam ainda que a efetividade da vacinação continuará a ser avaliada buscando estimar os dados de efetividade das vacinas com sua utilização no mundo real, no contexto epidemiológico e das variantes circulantes.

(Fonte: Fiocruz / Imagem: Governo do Estado de São Paulo)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Artigos

*Egídio Dórea Simone de Beauvoir, célebre filósofa francesa e autora de um dos mais profundos estudos antropológicos sobre a velhice, resgatou nesse livro uma...

Eventos

O Programa Vem Dançar, iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME), terá neste ano um...

Notícias

Medida adotada pela prefeitura da capital, que entrou em vigor em fevereiro, vem gerando questionamentos por ter retirado um direito adquirido de idosos com...