conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Saúde & Bem-estar

Dia da Dança: bem-estar para o corpo e a mente

A bailarina e coreógrafa Eliana Favarelli ressalta os benefícios da dança para todas as idades e destaca seu novo projeto +Arte+Saúde

Essa semana, no dia 29 de abril, foi celebrado o Dia Mundial da Dança. Prática que traz muitos benefícios ao corpo e a mente, como afirma a bailarina e coreógrafa Eliana Favarelli, de 58 anos. Segundo ela, a dança promove bem-estar, alivia o stress e ajuda nas questões emocionais que podem interferir na nossa saúde, especialmente neste período de pandemia de covid-19.

“Para as pessoas acima de 50 anos, ajuda a prevenir doenças que aparecem com o envelhecimento como dores nas articulações, problemas posturais e outras. A dança traz alegria, rejuvenesce a alma e principalmente ativa a memória”, destaca a bailarina paulista. 

Neste período de pandemia, Eliana tem produzido videodanças voltados para os profissionais da linha de frente da saúde, professores e alunos que estão em aulas online e pessoas em home office. Para comemorar o Dia Internacional da Dança, ela lançou um novo projeto. Batizado de + Arte +Saúde, o projeto, de acesso gratuito, tem o objetivo de dar dicas de como a arte pode ajudar a todos em suas profissões, proporcionando alegria, saúde e bem-estar.

Nos vídeos, divulgados no canal do YouTube da Espaço Dançar e no YouTube e Instagram da própria Eliana, ela apresenta séries de exercícios que podem ser feitos em qualquer hora e em qualquer lugar. A bailarina e coreógrafa ensina técnicas de caminhada, respiração, relaxamento e postura que ajudam a aliviar o estresse e as dores musculares decorrentes da falta de mobilidade.

No fim de cada vídeo, Eliana apresenta uma coreografia inspirada nos exercícios: “Dança para mim é paixão, é realização. É por meio dela que crio meu mundo interior. Faço dos meus gestos a extensão do meu ser, pois expresso minha emoção e minha determinação através da minha arte. E assim sempre será.”

A dança, para a bailarina, está ao alcance de todos, seja qual for a idade: “Basta que se respeite a individualidade de cada um e que as aulas sejam ministradas por bons profissionais. Para ser um profissional, é necessário começar cedo e estudar bastante. A idade nesse caso ajuda bastante, mas algumas pessoas conseguem se profissionalizar mesmo depois de adultas”.

As dicas de Eliana para quem pretende iniciar na dança são: força de vontade, disciplina, gostar de música, não ter vergonha de soltar o corpo e se deixar levar pela alegria.

Vida na dança

A bailarina paulista Eliana Favarelli, que aos 58 anos continua atuando, começou a dançar balé clássico aos 12. Desde então, sua trajetória quase sempre foi embalada pela dança. Passou por diversas modalidades, fez cursos nos Estados Unidos e se formou em educação física. Em 2007, criou – ao lado de outras bailarinas – o grupo Espaço Dançar, em Americana, cidade do interior de São Paulo, onde mora.

Foi em 2015, que a bailarina e coreógrafa montou sua própria academia, a Twist Dança. O espaço surgiu com o objetivo de reunir pessoas como ela: bailarinos apaixonados pela dança, mas que ao longo do tempo seguiram profissões diferentes e se afastaram dos palcos. Atualmente, a maioria de seus alunos tem mais de 35 anos.

(Fonte: Assessoria de Comunicação / Fotos: Nanah D’Luize/Divulgação)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Eventos

O Programa Vem Dançar, iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME), terá neste ano um...

Notícias

Medida adotada pela prefeitura da capital, que entrou em vigor em fevereiro, vem gerando questionamentos por ter retirado um direito adquirido de idosos com...

Notícias

Avanço da campanha de imunização no Estado, de acordo com o governo paulista, depende da chegada das vacinas da Fiocruz