conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Notícias

Velhices, inclusão e diversidade em debate

Mesa dos Idosos - Magda, Marly e Marcelo

Velhices e diversidade foram temas debatidos no V Congresso Municipal sobre Envelhecimento Ativo, realizado no dia 12 de setembro, na Câmara Municipal de São Paulo. Destaque para a Mesa dos Idosos, com a participação de um representante de cada macrorregião da cidade de São Paulo. A mediação foi da presidente do Grande Conselho Municipal do Idoso, Marly Feitosa. Na foto principal, Magda Beretta, Marly e Marcelo Schulman.

Como disse na abertura da Mesa dos Idosos, a coordenadora do Congresso, Luciana Feldman, os convidados representaram os verdadeiros protagonistas do evento com depoimentos sobre a realidade que vivem. O primeiro a falar foi o conselheiro municipal Antonio Mariano, jornalista, palestrante e mestre e consultor de Reiki pela WGS.

Morador do bairro Santa Cecília, Antonio afirmou que faltam atividades para os idosos, apesar do bom acesso a serviços de saúde e transporte. Segundo ele, a região precisa de mais atenção, principalmente em relação às pessoas em situação de rua.

Voluntariado

Vera Lucia Martins da Silva, voluntária em grupos de bem-estar, fortalecimento de vínculos e promoção de autonomia, representou a região Norte. Participante da Comissão do Idoso e Assistência Social, da Câmara Municipal de São Paulo, reivindicou a instalação de uma Unidade de Referência à Saúde do Idoso (URSI), equipamento que não conhecia.

Vera vive sozinha no bairro Vila Medeiros, tem uma vida ativa e procura estimular outras pessoas. “Dificuldades todos os bairros têm. A gente não pode dizer que está mil maravilhas, mas dentro de um contexto geral cada um pode fazer sua parte”, ressaltou.

São Paulo conta com dez URSIs: Mooca (Aricanduva/Mooca); São Vicente de Paula (Ipiranga); Sé; Marquinha Sciacia e Carandiru (Santana/Jaçanã); Santo Amaro, Cidade Ademar e Capela do Socorro (Santo Amaro/Cidade Ademar); Geraldo de Paula Souza (Lapa/Pinheiros) e São Mateus.

Pela região Sul quem falou foi Magda Beretta, mestre em Ecologia Urbana e doutora em poluição atmosférica, é ativista e voluntária de vários coletivos como o Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz (Cades) Vila Mariana. Atua no Projeto Piloto Arborização de Calçadas junto à Secretaria do Verde e do Meio Ambiente (SVMA) e o Municipalidades em Transição com a parceira da Subprefeitura da Vila Mariana e Programa Ecobairro.

Também cofundadora da Associação de Moradores da Vila Mariana, Magda acredita que todo mundo tem algo a oferecer, a ensinar. Suas atividades são pela inclusão de todos, para que as pessoas se reconheçam como pertencentes ao bairro e sejam devidamente ouvidas. Ela ainda destacou a importância de integrar outras gerações.

Região Leste

Mesa dos Idosos - Vera, Antonio e Nelson
Vera (Norte), Antonio (Centro) e Fernando (Leste) participaram da Mesa dos Idosos

Fernando Campos Araujo, voluntário do Voluntariado Médico do Cangaíba e morador do bairro, representou a região Leste. Graduado em Administração de Empresas, atua na área da saúde. Ele apontou as dificuldades da região, que, segundo ele, não é amiga dos idosos, afirmando que um dos principais desafios é a topografia acidentada, além das calçadas estreitas e a falta de atividades, geralmente realizadas de forma isolada por igrejas. Também disse desconhecer a existência da URSI e solicitou que uma fosse instalada na região.

Depois da fala de Fernando, Marly destacou a importância da participação de todos para que chegue aos bairros o atendimento adequado em saúde e um transporte público amigo do idoso, atendendo as diferentes velhices. “Nós enquanto sociedade civil, temos que arregaçar as mangas e cobrar”.

Saúde mental

O último a falar foi o dr. Marcelo Schulman, farmacêutico especialista em tecnologia de cosméticos pela Faculdade Oswaldo Cruz. Palestrante e presidente da Vita Derm Cosméticos, foi diagnosticado com Covid-19 e se recuperou. Ele destacou os desafios para o período pós-pandemia com atenção para a saúde mental e os idosos como base do sustento de milhões de famílias, diante do elevado desemprego. Segundo ele, todos seremos velhos e é preciso olhar para todos possam envelhecer de forma digna.

Respeito e inclusão

A penúltima mesa do Congresso teve como tema Respeito e Inclusão Social: discutindo a diversidade. A moderadora foi a jornalista Lina Menezes, substituindo Oriana Jara Maculet, presidente da Presença da América Latina, que não pode comparecer por motivos de saúde. O primeiro palestrante foi Tuca Munhoz, assessor técnico da São Paulo Transportes (SPTrans) para acessibilidade das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida no sistema de transporte coletivo municipal.

Entre as ações realizadas no transporte coletivo paulistano para que se torne amigo do idoso e atenda as muitas velhices, Tuca ressaltou o preparo dos condutores, que não podem ser culpabilizados pelos problemas que ocorrem, já que nem sempre trabalham em condições adequadas. Outras ações importantes são a elevação do piso das calçadas em pontos de ônibus, que facilita o embarque e desembarque, e a microacessibilidade no entorno de centros especializados de reabilitação.

Velhices LGBT

Diego Miguel, especialista em gerontologia e velhices LGBT, destacou a importância da equidade, de reconhecer as diferenças e unir saberes para um atendimento digno às velhices cada vez mais próximo da diversidade. “Estamos inseridos em contextos que reforçam desigualdade”, disse. Ele é padrinho da ONG EternamenteSou, que atua pela visibilidade e capacitação de pessoas idosas LGBT. A sede pronta para atender pessoas idosas presencialmente não foi inaugurada por conta da pandemia.

Ele parabenizou a Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania, que em busca do Selo Pleno de Cidade Amiga do Idoso, contemplou no protocolo a diversidade e as muitas velhices. “Vejo um movimento da secretaria, o interesse em qualificar esse instrumento, que começa a abrir espaço para a diversidade na construção do que é ser um município amigo da pessoa idosa. Contemplar diversidade é direitos humanos”, disse.

Racismo

Alexandre da Silva, da Faculdade de Medicina de Jundiaí e integrante do GT Racismo e Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), falou sobre racismo e desigualdade. Segundo ele, falar em diversidade em um país tão desigual é complicado, uma vez que não se leva em conta que as pessoas negras vindas do continente africano também eram imigrantes mas não tiveram as mesmas oportunidades. E o racismo começa antes do nascimento, com um pré-natal insuficiente que vai determinar uma trajetória injusta, afetando as condições de saúde.

Alexandre trouxe o termo segregação residencial, destacando os territórios da cidade de São Paulo que tem maioria da população negra, que vive em condições desfavoráveis. Segundo ele, esses territórios negros não são amigos dos idosos, o que ficou mais evidente na pandemia com a morte não apenas de idosos negros como de muitos não negros. E perguntou: “O que deixou de ser feito nesses territórios que nós já sabíamos do risco aos quais estavam expostos?”.

Entre as recomendações para reverter esse cenário está fortalecer a discussão saudável das questões raciais e de gênero, ações para o combate à discriminação racial, de gênero, etário e residencial, inclusão digital, entre outras.

Controle social

Gioia Tumiolo Tosi, presidente do Observatório Social do Brasil em São Paulo, falou sobre a pesquisa sobre os Núcleos de Convivência do Idoso (NCIs) para fomentar a política pública e entender a cobertura no município de São Paulo. O trabalho está em andamento e sofreu atrasos em razão da pandemia.

A entidade estimula a participação do cidadão na gestão pública, um controle social, como explicou a palestrante, na perspectiva do custo da política pública, complementando a necessidade de uma conversa conjunta com todos os envolvidos para reivindicar políticas públicas, a partir do que dispõe o Orçamento municipal.

Sobre os NCIs, o problema inicial constatado foi a desigualdade na distribuição dos equipamentos nos distritos. São cerca de 90 equipamentos, distribuídos em 48 distritos da cidade, de um total de 95. Os núcleos são uma política pública de proteção básica, que oferece oportunidade para inclusão e socialização, com potencial de prevenção e provavelmente um custo mais baixo para a municipalidade.

Conteúdo completo

O Congresso completo está disponível no canal do YouTube do vereador Gilberto Natalini, idealizador do evento. O conteúdo das palestras também pode ser acessado no site Envelhecimento Ativo. Leia mais sobre o evento no blog. (Katia Brito)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Artigos

*Egídio Dórea Simone de Beauvoir, célebre filósofa francesa e autora de um dos mais profundos estudos antropológicos sobre a velhice, resgatou nesse livro uma...

Colunistas

Programa musical tem ido além da valorização dos talentos 60+, trazendo debates sobre etarismo e as conquistas femininas

Iniciativas & Projetos

Evento será em formato híbrido, presencial e online, com diversas palestras e expositores, com início no dia 29 de setembro

Saúde & Bem-estar

Em sua 9ª edição, campanha alerta para a importância do cuidado com a saúde mental em tempos de prolongada pandemia e crises