conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Saúde & Bem-estar

Campanha alerta para banalização de doenças

“Parou por que?”, da SBC. com Ary Fontoura, alerta para a importância do tratamento das doenças cardiovasculares e metabólicas

Campanha Parou por que? - SBC alerta contra doenças metabólicas e cardiovasculares
Ary Fontoura

O ator e influenciador digital Ary Fontoura (Reprodução/Instagram), de 88 anos, é a cara da campanha “Parou por que?”. Um alerta da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) sobre importância do tratamento das doenças cardiovasculares e metabólicas.

Para o cardiologista Celso Amoedo, presidente da SBC, Ary é um exemplo de que não existe motivo para parar. “Afinal, ele cresceu consideravelmente nas redes sociais, justamente durante o período do isolamento social e entre todas as faixas de público”, completa. Apenas no Instagram, Ary tem mais de três milhões de seguidores.

“Estamos iniciando uma campanha para acabar com a banalização das doenças cardiovasculares no Brasil”. Com essa frase, o cardiologista José Francisco Kerr Saraiva, diretor de Promoção de Saúde Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC/Funcor) resume o objetivo da campanha “Parou por que?, lançada nacionalmente no domingo, dia 28 de novembro.

De acordo com dados da entidade, as doenças cardiovasculares e metabólicas são responsáveis pelo dobro de mortes registradas no país em relação a todos os tipos de câncer. Matam ainda 2,3 vezes mais que causas externas (como acidentes) e 3,5 vezes mais que todas as doenças respiratórias. Mesmo assim, segundo Saraiva, o brasileiro ainda negligencia o seu tratamento e simplesmente “esquece” situações corriqueiras e indispensáveis para manter a saúde em dia como as necessárias mudanças no estilo de vida e controle rigoroso da medicação.

Pandemia

Durante a pandemia da covid-19, as mortes por doenças cardiovasculares no país, que já representam a principal causa de morte no Brasil, aumentaram consideravelmente.  “O brasileiro já internalizou que se não realizar o diagnóstico precoce, as mudanças necessárias em seus hábitos e cuidar rigorosamente do seu tratamento pode morrer de câncer”, explica Saraiva. “Mas banalizou doenças como o infarto e o acidente vascular cerebral, que matam diariamente muito mais. Precisamos mudar essa realidade”, completa.

Campanha Parou por que? - SBC alerta contra doenças metabólicas e cardiovasculares

Com a campanha, a entidade lembra que enfermidades como diabetes, hipertensão e o colesterol elevado contribuem consideravelmente para os índices alarmantes de mortes por doenças cardiovasculares no País. ” E quando falamos em tratamento, precisamos lembrar que não adianta só tomar remédio e esquecer todo o resto. Exercícios físicos regulares, alimentação equilibrada e controle do peso são fundamentais para o sucesso do tratamento”, lembra Amoedo.

Apoiada pela Novartis, Bayer e AstraZeneca, a iniciativa da SBC pretende levar informações para o público leigo e principalmente considerando a retomada do tratamento e das visitas ao consultório bastante prejudicadas no período mais grave da pandemia do novo coronavírus. “Nosso objetivo é mostrar que as doenças cardiovasculares não podem ser minimizadas. Precisamos mudar essa trajetória”, completa Saraiva.

(Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia – SBC / Imagem principal: Woman photo created by gpointstudio – www.freepik.com)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Artigos

*Egídio Dórea Simone de Beauvoir, célebre filósofa francesa e autora de um dos mais profundos estudos antropológicos sobre a velhice, resgatou nesse livro uma...

Colunistas

Programa musical tem ido além da valorização dos talentos 60+, trazendo debates sobre etarismo e as conquistas femininas

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Saúde & Bem-estar

Em sua 9ª edição, campanha alerta para a importância do cuidado com a saúde mental em tempos de prolongada pandemia e crises