conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Valéria Barrio Novo Gonçalves

A solidão e a vulnerabilidade emocional

“É preciso coragem para ser imperfeito. Aceitar e abraçar as nossas fraquezas e amá-las. E deixar de lado a imagem da pessoa que devia ser, para aceitar a pessoa que realmente sou.” (Brené Brown)

*Valéria Barrio Novo Gonçalves

Podemos dizer que vulnerabilidade é exposição emocional, risco e incerteza. Uma pessoa vulnerável é aquela exposta a determinado risco, desprotegida. Diante disso, temos como tendência afastar e ignorar os sentimentos desagradáveis que nos fazem sentir frágeis e expostos, quando na verdade a vulnerabilidade está diretamente ligada a força e a coragem que nos conecta.

Vivemos um momento de extrema exposição emocional, risco e incertezas e muitas vezes nos escondemos inconscientemente e passamos a imagem de um “Ser forte”. Sendo que justamente a exposição de nossos medos, angústias, frustrações é o que nos faz realmente pertencente do universo que nos rodeia. É a partir da coragem de nos expor que nos conectamos e percebemos que somos muito mais parecidos do que imaginávamos.

A vulnerabilidade é a medida da nossa coragem e força. Quando nos mostramos independente do que o outro vai falar ou pensar, quando nos colocamos de peito aberto para expressar o que é essencial em nossa vida, nos permitimos fazer parte de um todo que também se sente igual. Muitas vezes o medo de nos colocarmos em uma posição vulnerável nos impedirá de viver grandes experiências no decorrer da vida.

O isolamento e a solidão já assombravam grande parte das pessoas e principalmente a população idosa. Com o afastamento obrigatório devido a pandemia, isso se tornou mais evidente, pois os recursos antes utilizados para manter o idoso ativo socialmente e pertencente deixaram de ser aplicáveis e as consequências desse isolamento já são observadas na saúde mental/emocional desse grupo.

É importante não negligenciarmos os efeitos negativos que o isolamento social exerce sobre a saúde mental/emocional a médio e longo prazo, apesar do foco atual ser a saúde física. Alguns sinais, sentimentos e humores indicam como a falta do convívio social pode nos afetar negativamente:

Tristeza

Nossa natureza busca conexão e estar em meio a companhia de outras pessoas. Isso nos faz sentir mais vivo e até mesmo os mais introvertidos necessitam de interação para obter um senso de pertencimento. A presença humana, a voz e o toque também são calmantes, um amigo, colega, parente ou cônjuge, pode ser uma fonte de apoio emocional. Quando isso nos falta, os momentos de tristeza parecem durar mais e à medida que os dias passam podemos nos tornar sem esperança, melancólicos e até deprimidos.

Vergonha e frustração

A solidão persistente é seguida por sentimentos de rejeição, abandono e baixa autoestima. Embora, às vezes, é consequência de nossas próprias escolhas, a solidão pode nos fazer sentir “inferiores” ou que “não somos dignos” do amor e da companhia dos outros. Isso gera ressentimento, raiva e até mesmo ódio.

Medo

Sentir-se só, desconectado, sem apoio pode gerar uma reação de fuga. Quando somos submetidos a um clima de medo que parece interminável o desespero se instala, e pode nos levar a recorrer a comportamentos desajustados e arriscados para recuperarmos o senso de segurança e bem-estar.

Acolhimento

Portanto diante destes sinais, nós que cuidamos e muitas vezes somos a única fonte de afeto de muitas pessoas, devemos manter um contato próximo, conversando, demonstrando preocupação com as dificuldades e necessidades dela, fazendo com que se sinta acolhida e cuidada.

E nós quando nos sentimos solitários e emocionalmente vulneráveis como resultado do isolamento, devemos fazer o possível para nos sentirmos conectados, primeiramente com o nosso interior e, depois, com os outros.

Ainda há muito a fazer sem desrespeitar as regras de distanciamento social que poderá contribuir para melhorar o seu humor e de quem o cerca, basta buscar o que vai ao encontro de seu eu e do que o complementa.

*Valéria Barrio Novo Gonçalves

Valeria Barrio Cuidado Cuidadores Cuidare

Graduada em Administração de Empresas com Habilitação em Comércio Exterior e pós-graduada em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), sempre foi apaixonada pelo tema do envelhecimento. Pós-graduada em Gerontologia na Faculdade Paulista de Serviço Social (FAPSS), realizou cursos como de Estimulação Cognitiva para Idosos pela Associação Brasileira de Gerontologia (ABG).

A colunista do blog Nova Maturidade é responsável pela Cuidare Santo Amaro, uma franquia de Cuidadores de Pessoas – idosos, adultos e crianças, com ou sem necessidades especiais. Para conhecer mais sobre a Cuidare Santo Amaro, entre em contato pelos telefones (11) 4281-2717 ou (11) 93435-1977 ou pelo e-mail santoamaro@cuidarebr.com.br.

(Imagem principal: Pixabay)

1 Comentário

1 Comentário

  1. Gercy Franco Fernandes

    7 de maio de 2021 às 07:48

    Muito bom seus comentários maravilhosa parabéns pela sua dedicação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NEWSLETTER

Cadastre-se e receba todas as nossas novidades





Leia também

Notícias

Atividade online oferecida pelo Campus Virtual Fiocruz tem como cuidados integrais, vacinação, contatos sociais, entre outros

Eventos

O Programa Vem Dançar, iniciativa da Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME), terá neste ano um...

Notícias

Medida adotada pela prefeitura da capital, que entrou em vigor em fevereiro, vem gerando questionamentos por ter retirado um direito adquirido de idosos com...

Notícias

Avanço da campanha de imunização no Estado, de acordo com o governo paulista, depende da chegada das vacinas da Fiocruz